Psicotropicus - Centro Brasileiro de Política de Drogas

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Política de drogas em debate na Globo News

O jornalista Alexandre Garcia até tentou desmerecer os argumentos em defesa de uma política de drogas menos repressiva. Mas a linha de pensamento defendida pela socióloga e coordenadora do CESeC/Ucam, Julita Lemgruber, e o professor da UERJ na área de metodologia das Ciências Sociais, especialista em Violência e Direitos Humanos Ignácio Cano aqueceu o debate na Globo News. Confira abaixo como foi o programa.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Mitos da maconha são descontruídos em livro traduzido pela Psicotropicus

Elisaldo Carlini Os motivos que levam um mito a perdurar mesmo depois de ser desqualificado cientificamente podem ser complexos e difíceis de entender. No caso da maconha, o movimento proibicionista do início do século 20 foi responsável por rechear o imaginário popular com mitos sobre seus efeitos. Infelizmente, muitos deles ainda são disseminados por respeitáveis veículos de comunicação e personalidades da área médica e política. 

Uma importante fonte de informações para disseminação dos verdadeiros problemas relativos a maconha ganhou sua edição em português. O livro "Maconha: Mitos e Fatos" (Marijuana Myths Marijuana Facts) reúne 20 mitos relativos ao consumo de maconha seguidos de uma desmitificação baseados em constatações científicas modernas. A edição brasileira, que foi traduzida pela Psicotropicus, foi lançada na última terça-feira em evento no Rio Janeiro.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Petição pode aquecer debate sobre legalização das drogas na Holanda

No momento em velhos chefes de Estado começam a rever seu posicionamento sobre a guerra às drogas a Holanda lança mais uma iniciativa pioneira. Uma petição assinada por 40 mil pessoas pode “obrigar” o parlamento holandês a promover o debate sobre a legalização de todas as drogas recreativas.

A ação promovida pela Netherlands Drug Policy Foundation tem o apoio do antigo comissário da União Européia, Fritz Bolkestein, e do antigo primeiro-ministro e cientista Dr. Els Borst-Eilers. A fundação afirma que o combate aos crimes relacionados as drogas custam 15,75 bilhões de euros por ano aos cofres do país. Este valor representa quase 50% de todo orçamento da área de segurança pública.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Czar antidrogas dos Estados Unidos classifica Colômbia como líder regional na luta contra o tráfico

Kerlikowske em um pré-escola de Bogotá Apesar da proposta de uma nova política de drogas com enfoque na na prevenção e no tratamento de dependentes, o governo norte-americano de Barack Obama ainda guarda alguns aspectos da administração Bush de guerra às drogas. Nesta semana o czar antidrogas dos Estados Unidos, Gil Kerlikowske visitou a Colômbia e classificou o país como "líder regional na luta contra os traficantes."

A ação norte americana em território colombiano se fortaleceu à partir da criação do Plano Colômbia. Essa política que vendia a ilusão de erradicar o cultivo de folhas de coca somou um gasto de mais de 7 bilhões de dólares desde o ano 2000. A maior parte desta verba foi destinada a polícia e ao exército colombiano.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Artigo: Pondo fim à inútil “guerra às drogas”

Fernando Henrique Cardoso*

O Proibicionismo falhou e precisamos redirecionar nossos esforços para os danos causados pelas drogas e para a redução do consumo.

fhc2 A “guerra às drogas” é uma guerra perdida e 2011 é o momento para se afastar das estratégias punitivas e buscar novos marcos nas políticas públicas, baseados na saúde pública, direitos humanos e no senso comum. Estas foram as conclusões centrais da Comissão Latino Americana sobre Drogas e Democracia, que eu formei juntamente com os ex-presidentes Ernesto Zedillo, do México, e Cesar Gaviria, da Colombia.

Nós nos tornamos envolvidos com essa questão por um motivo mobilizante: a violência e a corrupção associadas com o tráfico de drogas representam uma ameaça grande para a democracia em nossa região. Esse sentimento de urgência nos fez avaliar as políticas atuais e procurar por alternativas viáveis. As evidências são avaçaladoras. As estratégias proibicionistas, baseadas em repressão da produção e criminalização do consumo, falharam claramente.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Polícia inglesa confunde casa de porquinhos-da-índia com cultivo de maconha

Além do trágico número de mortos e encarcerados, a guerra às drogas ainda é responsável por provocar algumas situações inusitadas. A paranoia da repressão levou policiais da cidade de West Yorkshire, na Inglaterra, a confundirem simpáticos porquinhos-da-índia com uma plantação de maconha que estaria sendo mantida dentro de uma garagem.

Policiais que realizam uma ronda de helicóptero detectaram um nível elevado de calor na região da garagem da residência da professora Pamela Hardcastle. Diante desta situação foram destacados seis policiais para averiguação da ocorrência. Mas ao chegarem no local os agentes descobriram que na garagem estavam apenas Simon e Kenny, dois porquinhos-da-índia de estimação do filho de Pamela.

O calor detectado do helicóptero saiu da lâmpada utilizada para manter Simon e Kenny aquecidos durante o rigoroso inverno europeu. Diante do equívoco os policiais foram obrigados a se desculpar pela falha cometida. Mas em entrevista ao jornal Daily Mail Pamela contou que os policiais tinham um mandado de busca e apreensão para entrar em sua casa.

Para deixar a situação ainda mais constrangedora eles saíram questionando em todo o bairro se a britânica tinha má reputação." Eu disse à polícia que era totalmente inocente, mas eles queriam entrar na garagem de qualquer jeito”, desabafou.

A reclamação de Pamela ainda fica por conta da sua queda de credibilidade diante da vizinhança que passou provocar a vizinha sobre seu relacionamento com o tráfico de drogas apesar do equívoco cometido pela polícia. “As pessoas pensam que não há fumaça sem fogo”, disse a professora.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Passado o ufanismo, tráfico de drogas retorna ao Complexo do Alemão

A notícia de que o tráfico de drogas está de volta ao Complexo do Alemão não causa estranheza para os que não embarcaram no clima de ufanismo que tomou conta do Rio de Janeiro no final do ano passado. Afinal, um verdadeiro plano de segurança pública não se consolida apenas com tanques blindados e bandeiras hasteadas.

Uma reportagem publicada no jornal O Estado de São Paulo nesta quarta-feira cita documentos confidenciais do Centro de Inteligência do Exército (CIE) que apontam o retorno de pontos de vendas de drogas dentro do Alemão. Agora, as bocas de fumo funcionam de forma itinerante na favela da Galinha, além de contar com a ajuda de mototaxistas trabalhando como olheiros.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Mudança de rota

Julita Lemgruber*

O novo ministro da Justiça começa bem, trazendo a responsabilidade sobre a questão das drogas para o Ministério da Justiça e tendo a coragem de afirmar que a sociedade brasileira precisa aprofundar a discussão sobre a liberação das drogas. Há muito ainda a fazer até que a questão das drogas seja encarada como problema de saúde pública e não de justiça criminal, mas podemos estar iniciando uma caminhada que poderá desaguar nessa transformação.

A José Eduardo Cardozo deve-se o mérito de perceber, neste momento, a importância de submeter a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad) à sua autoridade e, mais ainda, de ter escolhido Pedro Abromovay, um civil, para conduzí-la. Aliás, a indicação de Regina Miki para a Secretaria Nacional de Segurança Pública é outra escolha que tem merecido o aplauso dos especialistas.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Liberdade em Neves! Um show do Ponto de Equilíbrio na carceragem da Polinter

ponto_neves Quando foi preso injustamente por cultivar 10 pés de maconha para uso pessoal, o baixista da banda Ponto de Equilíbrio, Pedro Caetano, pode conhecer de perto as mazelas do sistema prisional brasileiro.

Mas nos 14 dias que passou atrás das grades, Pedro conheceu o delegado Orlando Zaccone, autor do livro “Acionistas do nada: quem são os traficantes de drogas”, que apresenta o perfil das pessoas presas e condenadas por tráficos de drogas dentro de um contexto sociológico. Passado este período, os dois se reencontraram para promover um show do Ponto de Equilíbrio na carceragem da Polinter de Neves, em São Gonçalo, onde Pedro ficou preso por alguns dias.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Irã enforca condenados por tráfico de drogas

gallows Em grande parte do noticiário publicado em todo planeta Estados Unidos e Irã costumam aparecer de lados opostos. Mas quando tema é combate as drogas os dois países podem estar de mãos dadas. Nesta questão, Irã sai na frente por possuir uma prática ainda mais perversa que a do grande financiador da guerra às drogas.

Nesta segunda-feira o governo iraniano executou a pena de morte de sete homens condenados por tráfico de drogas. Eles foram enforcados dentro de um presídio na província de Kermanshah, conforme informações da agência de notícias do país. O nome dos homens levados a forca não foi revelado.