Psicotropicus - Centro Brasileiro de Política de Drogas

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Mitos e verdades sobre a maconha

O vídeo abaixo é esclarecedor para os principais mitos sobre a maconha. Em entrevista ao @Saúde, do portal UOL, o psiquiatra Dartiu Xavier respondeu as perguntas do público sobre o uso medicinal da cannabis, danos a saúde e a famosa lenda da porta de entrada para outras drogas. Confira!

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Superfaturamento nos contratos da ONG que “cuida” de usuários de crack no Rio de Janeiro

Depois da denúncia de "isolamento e medicalização descontrolada" nos abrigos que recebem os menores usuários de crack no Rio de Janeiro, o Tribunal de Contas do Município (TCM) apontou uma nova irregularidade envolvendo a Casa Espírita Tesloo, ONG que que coordena três dos quatro abrigos municipais usados para o acolhimento compulsório.

tcm

Uma reportagem divulgada na semana passada pela revista Época apresenta um memorando do TCM indicando a suspeita de superfaturamento em um contrato firmado entre a Tesloo e a Prefeitura do Rio. Os valores exagerados envolvem a compra de produtos de limpeza, higiene e comida.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

O caminho da legalização da maconha no Uruguai

A proposta de legalização da maconha no Uruguai vem despertando o interesse da mídia internacional. Uma reportagem publicada no início do mês no jornal O Globo apresentou como está a conjuntura política e o ativismo canábico no nosso vizinho ao sul da fronteira.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

O lobby da internação

LEIA A MATÉRIA NO FINAL

Que droga impressionante, que levantamento impressionante! Nos últimos 12 meses 2,8 milhões de brasileiros consumiram cocaína ou crack e metade tornou-se dependente! Tem mais dependente de crack-cocaína que de maconha, que são apenas 1,3 milhão! Não é nem preciso verificar a metodologia desse levantamento para constatar que não existe credibilidade nenhuma nos dados colhidos, para perceber que os que aplicaram os questionários eram pessoas inteiramente despreparadas para fazê-lo, e que são dados manipulados em favor da ideologia e interesses financeiros da indústria da dependência química.

É a ideologia da abstinência ou morte, da  muito ultrapassada concepção de dependência de álcool e outras drogas como doença primária, incurável e de determinação fatal. São psiquiatras ávidos para colocar as mãos nos pacientes impotentes, infelizes que se atrapalham e caem nas malhas do uso indevido de drogas, na fuga de condições de vida e falta de perspectivas profissionais e existenciais ou para reduzir seu sofrimento psíquico. No fundo, o que o dependente está buscando é um remédio, mas erra na dose e começa a se envenenar.

sábado, 15 de setembro de 2012

Brasil e Bolívia reforçam cooperação contra narcotráfico

LEIA A MATÉRIA NO FINAL

É a total subserviência à guerra contra as drogas, excelente notícia para contrabandistas de armas, quatro helicópteros para ajudar a aumentar a violência no mundo, uma estupidez sem tamanho, retrato da subserviência latino-americana. Lembro-me anos atrás em Bogotá, quando o motorista do taxi apontou para a embaixada estadunidense e disse: “Sede do governo colombiano”.

Se essa notícia tivesse saído há quarenta anos, a maior diferença estaria na tecnologia das armas. A falta de consciência dos malefícios e malfeitos da truculenta e intolerante – e, portanto, fascista – política de drogas por parte das autoridades do governo já é suficiente para pensarmos se não estamos longe de ter no poder um grupo que tenha a cabeça no lugar, que não propague o logro das drogas. Pois se propaga o logro das drogas, provavelmente usa os mesmos artifícios ou marketing para enganar a população, travando o progresso, criando esse imenso mal estar de uma violência gerada pelo próprio governo, cujo retrato atual é a chacina dos adolescentes em Nilópolis.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Uma aula de cannabis medicinal com o Dr. Elisaldo Carlini

Pare o que você está fazendo para assistir o vídeo abaixo! Trata-se de uma aula sensacional sobre cannabis medicinal com o psicofarmacologista Dr. Elisaldo Carlini, que pesquisa o tema há mais de 50 anos. Ele aborda, dentre outros temas, a tradição histórica do uso terapêutico da maconha e o lobby da indústria farmacêutica para manter a criminalização da planta.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

'Europa e EUA fazem acomodações, não soluções', diz FHC sobre drogas

Fonte: Terra

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que as políticas implementadas pelos Estados Unidos e por países da Europa em relação às drogas são acomodações, e não soluções. Ele também crítica os resultados alcançados no combate ao narcotráfico durante o regime mexicano de Felipe Calderón. "É uma guerra".

Em entrevista exclusiva ao Terra, FHC falou sobre as políticas que o Brasil deve implementar para a questão e reconheceu resultados positivos alcançados pelo Estado do Rio de Janeiro na pacificação das favelas da capital fluminense. No entanto, o ex-presidente alertou que, juntamente com a ocupação, é preciso 'ação social continuada' para sufocar o consumo das drogas.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

A Droga da TV

O terrorismo midiático é quase uma regra quando o assunto é maconha. Em reportagem recente, o SBT Brasil relatou com um alarmismo pavoroso o consumo de maconha na região do Vale do Anhangabaú, no Centro de São Paulo.

A reportagem tratou a repressão policial como uma ação de "limpeza" do Centro da capital, banalizou aspectos culturais do uso da maconha, além de tratar os usuários como criminosos e doentes de uma forma generalista. Desta forma, o SBT alimentou a tese simplista e preconceituosa de tratar as drogas como uma questão policial e classificar os usuários como pessoas de um “submundo”.

“Em relação às grandes emissoras de TV, rádio e jornais do Rio, é a rede Globo a que mantem uma postura mais aberta ao debate, sem aquela sanha condenatória aos usuários de drogas e mistificação dos pés-rapados travestidos de traficantes, como a velhinha do crack, na absurda e insensível descrição de um jornalismo que não entende absolutamente nada da realidade do mundo das drogas ilegais. Além da insana ode aos policiais que entram atirando nas favelas, mandando bala no seu próprio povo, a política de confrontação e violência gerando audiência e vendendo jornais na patrulha da cidade transmitida em programas de baixo espetáculo.

 

Veja o vídeo cima: olha como manipulam a emoção do espectador no uso da palavra droga como a encarnação de um abstrato demônio com que fisgam a sua atenção e paralisam seu raciocínio. Não é maconha. É DROGA! Não é cocaína. É DROGA! Não é crack. É DROGA! O problema é que também não é cerveja. É DROGA! Não é whisky. É DROGA! Não é calmante. É DROGA! Não é cigarro. É DROGA!

E a verdade é que não é droga, é maconha; não é droga, é vodka; não é droga, é cigarro; não é droga, é cocaína. Essa cantilena de exaltação a uma abstrata droga incorporada de coisas que só podem ser ruins, maléficas, perniciosas à saúde serve somente para implantar o engodo do medo a substâncias inertes, fomentando uma cultura de intolerância e preconceito que serve ao interesse dos pequenos grupos que se beneficiam da proibição, especialmente o tráfico, a polícia corrupta e o sensacionalismo do barato que vende notícias. É o "Barato do Uruguai" da revista de domingo do jornal O Globo, matéria que apesar do uso no título desse sensacionalismo de que falamos acima, expõe com isenção a proposta do seu presidente José Mujica”, avalia Luiz Paulo Guanabara, diretor-executivo da Psicotropicus.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Legalização da maconha em votação no Colorado, Oregon e Washington

Depois da derrota apertada da Prop 19 na Califórnia, a bandeira da legalização da maconha voltou com mais força na eleição norte-americana deste ano. Agora, o plebiscito sobre a regulamentação da produção e comercialização da cannabis será realizado em três Estados (Colorado, Oregon e Washington).

No Estado de Washington, 55% da população apoia a legalização da maconha, de acordo com uma pesquisa do instituto Survey USA. No Colorado este índice é de 61%, segundo o Rasmussen Reports.